Um jardim é sinónimo de vida e de tranquilidade. Mas quando se vive num T1 no centro da cidade, com uma varanda que nem chega para pôr toda a roupa a secar, a possibilidade de ter um jardim em casa parece uma miragem. Felizmente, há um oásis à vista: um jardim vertical.

Um pouco por todo o mundo, os jardins verticais têm conquistado cada vez mais espaço nos centros urbanos como forma de pincelar o cinzento citadino com o verde das plantas. Tal tem acontecido em complexos empresariais, edifícios públicos, hotéis e apartamentos.

Quais as vantagens de construir jardim vertical em casa?

Para além de embelezar qualquer espaço, um jardim vertical contribui para um ambiente mais saudável, pois as paredes, os muros e as varandas verdes purificam o ar ao reterem compostos orgânicos voláteis, isto é, partículas variadas, emitidas na forma de gases, que afetam a qualidade do ar. Também, devido ao processo de evapotranspiração, as plantas reduzem o calor à sua volta, proporcionando conforto térmico.

O jardim vertical dará outra vida e frescura à sua casa, além de contribuir para um ambiente mais saudável. Para quem está a pensar iniciar este hobby relaxante e saudável, reunimos algumas dicas para fazer um jardim vertical em casa, e assim começar este projeto da melhor forma.

Como fazer um jardim vertical em casa: 5 dicas

1. Escolher o espaço certo 

Os jardins verticais são a solução perfeita para quem vive em apartamento ou numa casa mais pequena, pois basta aproveitar uma parede despida da sala de estar, um parapeito da janela da cozinha, ou da varanda.

O primeiro passo para fazer um jardim vertical em casa é definir o local onde ele vai nascer. Qualquer área serve, desde que seja bem iluminada, mas sem sol direto, e que não seja muito ventosa. Podem ser considerados espaços exteriores, como varandas, pátios e churrasqueiras, ou ambientes fechados.

Para um jardim vertical interno é importante não esquecer que as plantas precisam de luz natural e de algum espaço para crescer. O  mais importante é evitar áreas estreitas e mal iluminadas.

2. Materiais necessários para fazer um jardim vertical em casa

Aqui as opções multiplicam-se, e será necessário ter em conta o espaço escolhido para o jardim vertical.
Nas lojas de bricolagem existem estruturas prontas a utilizar: que permitem poupar algum trabalho. Geralmente, estas estruturas já incluem vasos e podem ate ter um sistema de irrigação integrado, alguns exemplos: floreira verticalfloreira com patamares treliça com vaso.

E como fazer um jardim vertical em casa utilizando os nossos dotes de bricolage? Pode dar-se asas criatividade e fazer a sua própria estrutura com os seguintes materiais, que podem ser reutilizados ou não:

  • Pequenos vasos;
  • Copos de vidro;
  • Latas;
  • Garrafas de plástico presas por fios de pesca;
  • Fibra de coco;
  • Paletes;
  • Treliças;
  • Quadro fixado diretamente na parede;
  • Estantes, móveis e prateleiras.

Além do material para a estrutura em si, pode ser necessário mais algum material para fixar a estrutura e os vasos. 

3. Escolher as plantas ideais 

Se criar a estrutura é importante, saber quais as plantas melhor se adequam é chave para saber como fazer um jardim vertical em casa que nos encha de orgulho.

Para tal, existem fatores importantes a ter em conta: o local eleito, a exposição desse espaço à luz solar e o clima, sobretudo se é muito ventoso ou frio. A partir daí, existem duas alternativas: fazer um jardim de plantas e flores ou uma mini horta, com ervas aromáticas, alface e tomate cherry, por exemplo.

Se cuidar de plantas é uma tarefa laboriosa para a qual não tem tempo ou jeito, irei contra-argumentar. Eu própria era a pior jardineira até descobrir as espécies de plantas que exigem pouca manutenção: como a jibóia, as violetas, os catos e as suculentas. São bastante resistentes, não necessitam de ser regadas com muita frequência e criam raízes rapidamente.

Agora basta escolher as sementes!

Dica extra: ao combinar diferentes espécies de plantas, deve-se ter em atenção que tenham sensivelmente a mesma necessidade de volume de água, de modo a que, ao regar, umas não fiquem molhadas e outras secas.

4. Cuidados essenciais com o meu jardim vertical

Para quem está a planear um jardim vertical pequeno, então a rega manual será suficiente. Mas se a ambição é cobrir uma parede inteira com plantas, será necessário um sistema automático de rega. Neste caso, é também importante não esquecer a questão da drenagem. Pense nesse detalhe no momento da montagem da estrutura.

Para além da rega, deve adubar o jardim doméstico com substrato universal e retirar ervas daninhas que apareçam para não prejudicar o crescimento das plantas.

5. Paciência e persistência

Pode demorar algum tempo até que as plantas escolhidas para o jardim doméstico fiquem viçosas e bonitas, ou até que comece a tirar proveito da horta. Por isso, é recomendada uma dose de paciência e, já agora, uma pitada extra de persistência, caso uma espécie murche ou seque apesar de todos os cuidados.

Conclusão

Agora que ficou mais claro como fazer um jardim vertical em casa, ou uma mini horta, é fácil ver que pode ser algo muito compensador. Além de dar uma nova vida ao espaço, com todas as cores de que é feita a natureza na parede ou na varanda, contribui para um maior conforto térmico, para a biodiversidade e para a diminuição da emissão de dióxido de carbono.

E há ainda um último bom motivo para avançar com este projeto: passará a ter um hobby relaxante, que certamente ajudará a desligar da azáfama do dia-a-dia. Boa jardinagem!

Diana Sousa
Autor

Esposendense de coração, a Diana é doida por boa comida e anda constantemente perdida nos motores de busca de voos, em pulgas com a próxima aventura. Acalma os bichos carpinteiros com treinos diários de cross training e rende-se facilmente perante um bom storytelling.

Comentários